Resiliência

Publicado  sexta-feira, 6 de maio de 2011

Em "Fundamentos da Ciência e Engenharia dos Materiais" (CALLISTER, 1991) ou simplesmente 'Callister' como é mais vulgarmente conhecido entre os discentes (e docentes) da maioria dos cursos de engenharia Brasil afora, podemos encontrar a seguinte definição para o termo 'Resiliência': "Resiliência é a capacidade de um material absorver energia (impacto) quando ele é deformado elasticamente e então, no descarregamento, ter recuperada esta energia. A propriedade associada é o módulo de resiliência, Ur , que é a energia de deformação por unidade de volume requerida para tensionar o material a partir do estado não-carregado até o ponto de escoamento."
Mas vocês devem estar se perguntando: e daí?
Bem, feliz e animado com a vida (?!) como qualquer aluno do terceiro ano de engenharia, eu assistia despretensiosamente a uma pacata e, arrisco-me a dizer, sonolenta aula de Teoria das Organizações. Slide vai, slide vem; bocejo vai, bocejo vem... 'bla bla bla resiliência bla bla bla'. 'Resiliência? É de comer? Acho que eu já ouvi isso antes... Onde mesmo? Ah, é! Na aula de materiais do terceiro semestre.'
Voltei pra casa depois de um longo, longo, loooongo dia de estudos, morto de cansaço. E como todo mundo já deve ter percebido, geralmente uma parte desse cansaço inerente à vida acadêmica é, obviamente, composto pelo esgotamento e saturação da sua paciência e disposição; e a outra parte é feita do pré-cansaço, ou seja, aquele sofrimentozinho que você sente só de pensar em todo o resto das coisas que você AINDA tem que fazer.
Mas, voltando ao assunto, cheguei em casa e... aquela pulga atrás da orelha. 'Cadê o Callister? Merda, vendi pro bixo. Ok, vai no Google mesmo.' Pesquisei 'Resiliência' no Google e, curiosamente, o primeiro resultado da busca era uma definição da Wikipédia. Abri a página e me surpreendi: descobri que, convenientemente, a psicologia havia tomado emprestado o termo para definir "a capacidade do indivíduo lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas - choque, estresse, etc. - sem entrar em surto psicológico". Brilhante! Como eu pude ignorar este conceito por tanto tempo? 'Resiliência...' uma avalanche de pensamentos me fez imóvel por alguns instantes (como quando você mergulha em si mesmo, não se mexe e nem se percebe estátua viva, e quando se dá conta, a visão já está embaçada...).
Então concluí que a resiliência é o único atributo importante na vida de qualquer pessoa.
Não importa de que raça você seja, qual o seu emprego, sua idade.
Não importa se você é religioso, se você não gosta de picles, se você é o presidente!
E ainda, não importa que você não se importa, porque isso não fará a resiliência menos importante.
O jeito como você lida com as adversidades; a maneira como você agüenta o tranco e absorve aquilo para depois tentar transformar em algo positivo (ou negativo); isso é o que determina tudo.
Portanto a palavra do dia é: resiliência.

4 comentários:

Anônimo disse...

Algo como a teoria do caos? Exemplificada pela explicação de como o bater de asas de uma borboleta pode causar um tornado do outro lado do mundo, isso é, de como uma coisa implica numa outra?
Agora uma outra coisa. Necessariamente a pessoa deve transformar o que ela recebe em algo? Ou há a possibilidade de ela simplesmente agir como se nunca houvesse passado por aquela adversidade? Muitas vezes não acho que a inteligência humana seja não seja tão grandiosa a ponto de uma pessoa sempre aprender algo, bom ou ruim, com seus erros.

Anônimo disse...

Muitas vezes não acho que a inteligência humana seja tão grandiosa a ponto de uma pessoa sempre aprender algo, bom ou ruim, com seus erros.****

Mayla disse...

MUITOOO BOM!

Vitaum disse...

Resiliência = Rocky Balboa